1. Desinvestimento

É a retirada do investimento que estava ligado a uma representação, a um grupo de representações, a um objeto, a uma instância, etc.

É o estado em que se acha a representação (após a retirada ou na ausência de qualquer investimento).

  • É relativo à separação entre o quantum de afeto e a representação.
  • A energia desinvestida da representação é usada como anticatexia no recalque e a energia desinvestida nos objetos investe o ego, nos estados narcísicos.
  1. Deslocamento

Permite a mudança da intensidade de duas representações associadas; a energia é deslocada de uma representação importante, intensa, para outra sem importância, fraca, antes do recebimento da energia deslocada.

O fenômeno ocorre na formação dos sonhos e dos sintomas neuróticos; ocorre, na verdade, em todas as formações do inconsciente. O livre deslocamento da energia é o modo como o processo primário rege o funcionamento do Inconsciente.

  • Assim, o afeto é potencialmente independente da representação, como mostra a clinica.
  • No processo secundário, o deslocamento é limitado e com pouca disponibilidade de energia.
  • O conteúdo manifesto se refere a um conteúdo latente que foi deslocado, nos sonhos; o deslocamento transmuta valores psíquicos.
  • O deslocamento tem função defensiva; é também a característica essencial do processo primário; assim, a defesa usa o deslocamento natural da energia, no Inconsciente.
  1. Condensação

É o fato de que uma única representação psíquica pode conter a representação simultânea de várias cadeias associativas sendo, aquela representação, a interseção destas cadeias; a representação condensada recebe e contém a energia psíquica proveniente das várias cadeias associativas adicionadas na representação condensada.

A condensação é um dos modos essenciais de funcionamento do Id e opera no sintoma, no sonho e em todas as formações psíquicas que têm a participação do Id.

O conteúdo manifesto do sonho é uma tradução resumida do seu conteúdo latente, mas a condensação não é um “resumo”, na medida em que cada elemento latente também pode ser representado em diversos elementos do conteúdo manifesto condensado.

  • A condensação é um dos mecanismos psíquicos implementados pelo trabalho do sonho.
  • Pontos nodais se prestam à condensação (um elemento onírico presente por diversas vezes em diferentes pensamentos do sonho, tende a ser conservado no conteúdo manifesto, justamente por (apenas) ser um ponto nodal).
  • Uma unidade desarmônica pode também ser criada pela reunião de diversos elementos oníricos (imagens sensoriais oníricas).
  • O reforço dos traços comuns pode suplantar os traços não coincidentes, atenuando-os através da condensação.
  • A condensação também está presente nas parapraxias e nos chistes (anedotas); neologismos são formados por condensação, nos sonhos.
  • A condensação é uma característica do pensamento inconsciente que contribui para a ininteligibilidade do conteúdo manifesto do sonho, servindo, indiretamente, aos interesses da censura, sem ser criada por ela.
  • As condições do processo primário (energia livre e busca da identidade de percepção) favorecem à condensação; sendo assim, o desejo inconsciente será processado por condensação e os pensamentos “pré-conscientes” atraídos para o Inconsciente serão processados pela censura do sonho (ação da defesa inconsciente do ego).
  • A “representação-encruzilhada” condensa as energias que foram deslocadas ao longo de diferentes cadeias associativas; a vivacidade e intensidade sensorial de uma imagem onírica são signos da condensação (forte investimento de energia nesta imagem).
  1. Deformação

É o efeito global do trabalho do sonho, no qual os pensamentos (conteúdos)  latentes são transformados em um produto manifesto dificilmente reconhecível.

  • Uma “transposição” do conteúdo latente em conteúdo manifesto não corresponde ao que na realidade ocorre, isto é, uma deformação do conteúdo latente pelo trabalho do sonho.
  • Ocorre a desfiguração dos pensamentos (conteúdos) latentes, a qual remete ao trabalho de interpretação do sonho; a “alteração” do conteúdo latente é, na verdade, uma deformação.

[Comentários ao Verbete] – [Os termos demolição, destruição, dissolução, são aplicados ao destino dos componentes do Complexo de Édipo, efetuado através dos mesmos mecanismos de deformação atuantes no destino do conteúdo latente no sonho.

      Por outro lado, Freud afirma que, se ocorre apenas o recalque dos componentes do complexo de Édipo, estes retornarão como sintomas histéricos.

      Assim, há uma deformação do Complexo de Édipo, visando à sua inconscientização, tal como ocorre em relação ao conteúdo latente do sonho; assim, deformação (destruição, dissolução, demolição) é muito mais do que recalque e ocorre usualmente em relação ao conteúdo latente do sonho e em relação ao Complexo de Édipo].

Deixe uma resposta